Os habitantes do litoral

IMG_3374.JPG

Antes de chegar a agitação do verão, o litoral gaúcho é calmo cenário para se apreciar o que muitas vezes não conseguimos perceber, na colorida diversidade de corpos e guarda-sóis. Em um momento que somente alguns turistas e também os moradores fixos, caminham pela orla, é possível apreciar com mais atenção a sua surpreendente fauna. E foi neste clima que presenciamos em Atlântida, as já comuns Garças-brancas-pequenas e os Pirus-Pirus com seu marcante e cumprido bico vermelho. E de certa forma eles convivem pacificamente em um espaço generoso entre a areia e o mar, e ainda o dividem com outras espécies como o simbólico Quero-quero, que também veio curtir o mar. E quando a prosa da praia enveredar para intermináveis polêmicas e esquentar mais que o sol do verão, talvez se possa propor para “falar de coisas amenas” ou “falar de passarinho”. E se lembrar das imagens que mostramos pra ti, onde as aves litorâneas simplesmente seguem o seu dia em busca de algo para comer. Não se incomodando muito com quem está ao seu lado…

IMG_3387

IMG_3409

IMG_3375

IMG_3369

IMG_3362.JPG

IMG_3339.JPG

IMG_3390.JPG

 

As expressões do Cemitério da Santa Casa

IMG_3206

São rostos de anjos, e de personagens que fizeram a história do sul, uma das principais atrações deste lugar incrível. As estátuas esculpidas caprichosamente, estão espalhadas em meio à jazigos e mausoléus, alguns de belíssima e marcante arquitetura histórica. O lugar das moradas eternas costuma ser visitado por aqueles que lá deixaram seus entes mais próximos, mas também pode ser um lugar atraente à simples contemplação. Em várias partes do mundo são considerados como pontos turísticos e recebem visitantes dispostos não só a apreciar sua arte, mas também a história e cultura dos povos que os ergueram. E aqui não é diferente, pois entrar neste cemitério que é um dos mais antigos da capital, é mergulhar na trajetória da política e da economia do Rio Grande do Sul e do Brasil. Afinal, é lá que foram enterrados, membros de famílias de grande influência na geração de riqueza do sul, mas também humildes cidadãos que estão somente identificados com placas numeradas encravadas no gramado. Em uma ala mais distante da entrada principal. Gentes que testemunharam a história e suas mudanças, pacíficas ou não. Marcadas muitas vezes por personagens que desejaram a eternidade, tentando deixar seu legado nestas obras onde exprimem seus pensamentos. Como o fez, no verdadeiro monumento onde dorme em paz, Júlio de Castilhos, definido por alguns como patriarca do Rio Grande por governar com mão forte. É lá que está escrito “Os vivos serão sempre e cada vez mais, governados pelos mortos.”

IMG_3203

IMG_3222

IMG_3214

IMG_3256

IMG_3268

 

A senzala no porão.

IMG_0552.JPG

Que pode ser visitada em Triunfo, em uma das várias residências antigas da cidade. Praticamente original e inalterada de como era quando abrigava um número elevado de escravos por metro quadrado, que descansavam em condições precárias. E o local era mais baixo do que a altura de um homem, para evitar que alguém ficasse de pé e liderasse com palavras, uma revolta. Durante anos a fio, seres humanos da África aportaram em terras do sul e de grande parte do continente americano, não em busca de uma vida melhor como fizeram imigrantes portugueses, alemães, italianos e muitos outros. Mas como perdedores de uma guerra. Onde europeus venceram e os trouxeram como troféus, para que fizessem o trabalho que eles não queriam fazer. O trabalho braçal e pesado que exerciam sem poder questionar e muito menos prosperar, como pessoas. Afinal eram considerados tão somente como bens materiais, sendo comercializados como tal… Chamados inclusive de peças… E em cima do porão que servia para moradia de senhores que ditavam as regras do trabalho, passou a viver um religioso que em nome do amor, começou libertar estes africanos. Por fim, o prédio hoje é recheado de instrumentos da liberdade, pois há alguns anos é ocupado por uma biblioteca…

IMG_0558.JPG

 

A cascata na curva da estrada

IMG_2076

Não cansamos de mostrar as inúmeras e belas quedas d´água, que estão em todos os recantos do Rio Grande do Sul. Muitas delas estão escondidas em lugares de difícil acesso, outras estão em parques com cobrança de ingresso, mas uma parte delas é fácil de chegar e apreciar. É o caso desta na estrada de acesso ao pequeno município de Alto Feliz no Vale do rio Caí. Em uma curva da sinuosa estrada que é uma das subidas alternativas da serra gaúcha, este recanto surpreende os motoristas que não relutam em dar uma parada. Seja para tirar fotos, ou simplesmente para sentar nos bancos em suas proximidades e apreciá-la. Fruto de um córrego de pouco volume, sua vazão muitas vezes é precária, mas o espetáculo é garantido. Após o pequeno lago o curso segue por entre pedras e passa por debaixo da estrada, percorrendo o vale até desaguar no caudaloso Caí. Mais um cantinho fácil de conhecer… Dos muitos já desvendados e de outros tantos a mostrar…

IMG_2039

IMG_2065

IMG_2061

A história da medicina no sul

DSC03245.JPG

Que é contada no Museu da História da Medicina, nas proximidades do Centro Histórico de Porto Alegre no prédio onde por muitos anos funcionou o Hospital de Beneficência Portuguesa. Lá estão objetos utilizados para os mais diversos fins relacionados a saúde e aos cuidados de pacientes com as mais variadas enfermidades. Também estão ali trajetórias de vida destes personagens que tem comemorado o seu dia neste 18 de outubro. Por que não bastam estruturas, equipamentos e medicamentos sem a presença do médico e sua formação. Principalmente como ser humano, habilidade fundamental em qualquer atividade. Afinal, muitas vezes a cura vem tão somente pela palavra e pelo gesto de amor. Por isso, ouvir e falar é tão importante… Em qualquer situação.

Esta postagem é uma homenagem a estes profissionais que nos cercam, com especial atenção aos que estão próximos de mim, que escrevo estas palavras. Principalmente a meu pai José Mário de Carvalho, dedicado profissional que tanto se importou com o lado humano de todas as pessoas. É o primeiro dia do médico sem sua presença física. Mas ele está eternizado no nome de uma Unidade Básica de Saúde de Esteio, cidade onde nasci e onde ele exerceu sua atividade com foco principal na saúde pública, da qual era um grande defensor. E acima de tudo seu legado está eternizado em muitas mentes e corações…

DSC03201

DSC03208

DSC03217

DSC03211

O mundo das crianças

DSC00898.JPG

Que repete em pequena escala o mundo dos adultos… Do sonho de um avô de presentear os netos com miniaturas de casas e prédios de verdade, surgiu essa grande atração de Gramado. O Mini-mundo traz a caprichada réplica de prédios de várias partes do mundo, incluindo exemplos do patrimônio histórico do Rio Grande do Sul. Nos caminhos por entre eles nos sentimos como gigantes dominadores daquele mundo de pequenos personagens, que preenchem as ruas das belas maquetes. Mas é claro que o encantamento maior é dos pequenos que enxergam os objetos como se fossem seus brinquedos a simular o mundo que encontrarão em sua vida adulta. E que hoje é apenas imaginação. E as mães e pais, tias e tios, avós e avôs, que os acompanham talvez sintam saudades da infância que tiveram. Ou mesmo imaginem uma infância que gostariam de ter vivido. Mas ao olhar para as pequenas cópias de um mundo real, é provável que muitos imaginem que o que construímos ao longo da nossa história, é resultado dos nossos sonhos de infância. Mesmo que nem todos eles tenham sido realizados…

DSC00885.JPG

DSC00907

DSC00910.JPG

DSC00891

DSC00892

O memorial da trajetória dos gaúchos

IMG_1680.JPG

Dos que habitavam no Rio Grande do Sul, desde o tempo das cavernas até os dias de hoje. É o que se encontra no Memorial do Rio Grande do Sul no antigo prédio da sede central dos Correios e Telégrafos, por si só, uma atração parte com sua belíssima arquitetura. Uma trajetória riquíssima mostrada em didáticos e ilustrados painéis em ordem cronológica, permitem um aprendizado de forma prática e resumida. Nesta fantástica aula de história da nossa gente, se pode perceber os inúmeras embates e construções que ocorreram em séculos. Foram guerras, tomadas de poder, discussões, movimentos migratórios e principalmente trabalho árduo. Não foi um caminho fácil. Muito se perdeu outro tanto se ganhou para chegar onde estamos. Como em todo o lugar o processo civilizatório é complexo e não para, e olhar o passado pode nos trazer lições. Até mesmo para semear o futuro que ainda não está escrito. Muitas das contribuições dos que já foram, seguem hoje a disposição dos que estão erguendo as vidas e enfrentando os desafios de hoje. E em momentos como o que estamos presenciando atualmente, conhecer o que se passou por aqui pode ser inspirador para tomar as melhores decisões…

IMG_1713

IMG_1715

IMG_1717

IMG_1718