Uvas na Parreira

Já dá para começar a colheita da uva…. Com o calor a bater até mesmo na serra, muitos cachos quentes encontrarão habilidosas mãos calejadas de colonos, que se preparam para, com o mesmo carinho que afagam os filhos, cortar o talo e encher o tacho. E mais uma safra do principal produto da nossa região italiana chega, para ser  apreciada com algo mais do que o simples consumo das variedades que podem ser compradas no supermercado, ou com os vinhos que serão produzidos com elas. Em Bento Gonçalves, a Bento em vindima é uma excelente pedida para um verão diferente, cujos atrativos podem ser conferida em http://vindima.bentogoncalves.rs.gov.br/ Uma vasta programação permite entrar de corpo e alma neste mundo, participando ativamente desta magia. E é no vale dos vinhedos, que pode-se ver não só o espetáculo dos grãos ao sol, como também belas e encantadoras paisagens, ponteadas vez ou outra por capitéis e capelinhas, a iluminar espiritualmente o caminho.


Sem banho de mar

“E não vai dar para tomar banho de mar?” É o que deve estarem se perguntando incrédulos os veranistas de Tramandaí nesta manhã de janeiro. E a resposta é “não”, pelo menos hoje. O acidente que despejou petróleo no mar e emporcalhou a praia mais populosa do estado, certamente deve ter chocado quem estava por lá ontem. Não poder desfrutar do principal atrativo do verão, soa para muitos como cancelamento de férias e fim de festa. Por mais que o nosso litoral se esforce para preencher dias chuvosos, e outros não tão convidativos à areia, com comércio, gastronomia e baladas, é na beira da praia que está o foco das atenções. A natureza como sempre é um diferencial relevante, se não o principal, na atração dos visitantes. Quando eventos assim acontecem, sempre surge a esperança que maiores cuidados serão tomados para que não seja prejudicado o meio ambiente, e as campanhas e frases de efeito preenchem os espaços de divulgação. Mas o discurso desta vez poderia ir além… E não estamos nos referindo aos prejuízos ao turismo e os recursos e empregos gerados, e sim ao simples direito de chegar na areia e tomar um banho de mar. Acessível a qualquer um para fugir do calor. Quem sabe com essa agressão ao direito de se divertir e descansar, a meio que nos cerca, comece finalmente ser levado a sério.
Quem tiver fotos, pode mandar. Quem não tiver, basta dar uma olhada nos jornais do sul… 
E esperamos que quando tudo passar e as comuns manchas marrons das algas, voltarem, não fiquem inventando que é óleo de navios despejados no mar. Dá para ver que é bem diferente…. 

Faróis gaúchos

Na imensidão do litoral gaúcho eles continuam lá como testemunha de um passado de mais navios  e menos informação. Os faróis como este da Praia do Araçá, eram a orientação no tempo em que não existiam GPS ou satélites. Pois o de Torres está completando hoje 100 anos… Da construção do primeiro… Trazido da França, chegou ao porto de Laguna, de onde andou 170 km de carro de boi, até chegar ao destino. E com o tempo, foi substituído por outros três no mesmo lugar, no alto do morro onde existe ainda um cemitério escondido…. Um livro conta a história desta saga revelando como funcionava nos primórdios a sua manutenção, por funcionários que fixavam residência no lugar, e se revezavam na sua operação. Em postagem de 2008 (veja aqui) falamos da utilização turística de alguns faróis do litoral Uruguaio. Lá, alguns deles servem até de mirante para apreciar as belezas do litoral. Já em meio ao burburinho de Capão da Canoa, emprestam sua estrutura a um uso não menos nobre de apoiar as luminárias de uma praça. Mas para os mais aventureiros, a pedida é tentar chegar aos inóspitos locais dos isolados faróis do litoral sul, com seus fiéis mantenedores e suas histórias de enfrentamento da solidão…. 

A matéria do Correio do Povo sobre o farol de torres, você encontra em: http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=117&Numero=117&Caderno=0&Noticia=385256