Um novo mirante para o Rio Jacuí

Que fica na cidade de Rio Pardo/RS, e que leva o nome de um afluente deste que é o maior rio gaúcho. Para que as pessoas possam apreciar a amplitude do curso d’água, junto a praia dos  Ingazeiros e às margens da rodovia que circunda esta histórica cidade, foi construído um patamar largo que serve de mirante e que ainda receberá uma academia ao ar livre. E sua amplitude convida até mesmo a realização de eventos, tendo a belíssima paisagem como pano de fundo. Ainda mais, quando é possível ter a companhia de um belo por-do-sol, igual ao que conseguimos captar ao final de um dia intenso nesta que é uma das primeiras cidades do sul. Seus mais de dois séculos de existência, e seu patrimônio histórico riquíssimo, pode ser conferido no vídeo completo postado aqui. Iniciativas como esta só trazem benefícios ao acolher os que apreciam com a devida atenção, as singelas belezas de uma terra repleta de surpresas.

A cultura na antiga escola militar de Rio Pardo

Que começou sendo um hospital de caridade em 1848, mas quando pronto, 34 anos depois, passou a ser a entidade formadora de futuros senhores da guerra. E por lá até a década de 30, quando se transforma em escola regular, passaram vários futuros personagens da história. O imponente prédio no centro da cidade foi restaurado no começo deste século, e abriga o interessante Centro Regional de Cultural com atividades diversas voltadas à comunidade.Incluindo um Museu Militar com a farda dos Dragões de Rio Pardo, e o acervo do Museu Barão de Santo Ângelo onde se pode apreciar as cadeiras da primeira câmara de vereadores da cidade. Há ainda uma Biblioteca Pública e salas para exposições, atelier de artes, aulas de dança, em um prédio que guarda muitas histórias.  Além de seus muitos segredos perdidos no tempo, e apenas alguns revelados. Como um determinado pedaço de parede, que expõe as estruturas originais à vista de todos. Ali se identificam a utilização de madeira, fibra de côco e óleo de baleia para dar liga, entre outros materiais que desvendam as técnicas construtivas de séculos passados. Em outro pedaço, um frase semi-restaurada viaja no tempo para dar a mensagem daqueles cidadãos de outrora: “Uma geração passa, outra lhe sucede e a pátria permanece imutável. Trabalhemos pelo seu engrandecimento!” Com suas interpretações podendo variar de acordo com o coração dos viventes de hoje, a sentença nos coloca a refletir… Mas acima de tudo, agir. Visitar um lugar como este e entender seu passado pode nos trazer muito…

Neste vídeo tem outras atrações da cidade além do Centro Regional de Cultura.

Memorial dos Japoneses de Ivoti

Uma colônia mais jovem, mas de um povo mais distante. Assim pode-se descrever a saga iniciada em 1966 em Ivoti, por japoneses que já estavam no Rio Grande do Sul desde a década de 50. E ela é devidamente valorizada no Memorial da Colonização Japonesa no interior desta cidade gaúcha fundada e habitada em sua maioria por descendentes germânicos. Lá estão em um espaço moderno aberto há menos de uma década, imagens e objetos que contam as contribuições desta gente à cidade. Não faltam as tradicionais e coloridas vestimentas, e os delicados origamis, dobraduras de papel formando belos animais. Mas é logo na entrada que se destaca uma das principais atrações. Um cenário de delicadas bonecas de porcelana, as Hina Ningiyou que são presenteadas a meninas recém-nascidas. No dia das meninas neste país asiático, 3 de março, um cenário com elas é montado em cada casa, representando o casamento do imperador. Este delicado recanto, assim como o restante da mostra e sua loja anexa são um convite a conhecer aqui bem perto, uma cultura do outro lado do planeta…

O Memorial é mostrado neste vídeo da região a partir de 1:34.

Uma outra cascata no Buraco do Diabo

Porque a mais famosa é a São Miguel, em Dois Irmãos, da qual já falamos por aqui. Mas esta foi apresentada a este blogueiro na última ida a este lugar fantástico às margens do Arroio Feitoria em Ivoti, na subida da Serra Gaúcha. Um pouco menor, mas igualmente bela com alguma imponência ela pode ser acessada por fácil trilha com alguns minutos de percurso, a partir da ponte de madeira de onde se avista a Cascata São Miguel ao fundo. E é claro que não podemos deixar de agradecer as pessoas que encontramos ali e que deram esta dica fantástica. Pareceu que elas não sabiam o nome dela. E tu, sabes? Deixa nos comentários… Andamos muito por aí, e conhecemos um bocado de coisas, e estamos nos dispondo a levar alguns seguidores conosco através dos nossos passeios. Mas parece que sempre há algo mais a desvendar, a admirar e a divulgar. Provando que nosso trabalho não é em vão e ainda tem muito a trazer pra ti. E antes que me esqueça, o Buraco do Diabo para quem ainda não conhece é uma parte do Arroio Feitoria, onde fica a Ponte do Imperador e o Núcleo de Casas Enxaimel. Ele tem esse nome por que os imigrantes alemães recém-chegados teriam se deparado com um bicho estranho, meio demoníaco… Essa história e muito mais destas deste lugar, tu conferes no vídeo que postamos aqui. Aproveita para se inscrever no nosso canal no Youtube, e também vir conosco neste e em outros passeios…