Histórias da Fazenda do Sobrado em São Lourenço do Sul

Scroll down to content

Nas proximidades onde o Rio São Lourenço deságua na Lagoa dos Patos, uma bela construção do século XVIII, se destaca na paisagem do Pampa gaúcho. E ela tem muita história pra contar… Em tempos de pandemia a visitamos só por fora e os fatos que contamos estão aqui na rede, mas com certeza ainda daremos uma atenção melhor para este marco da cidade de São Lourenço do Sul, hoje administrada pela família Serpa.  Afinal, esperamos que ela volte a abrir para visitação… Bem próxima a zuna urbana da cidade foi sede nos primeiros anos da Sesmaria do Cristal, uma grande extensão de terra doada por Dom João VI rei de Portugal, a Joaquim Gonçalves da Silva, provavelmente por sua participação em combates com os espanhóis nestes campos sem fim… Com a sua morte, a saga continuou com seus herdeiros, entre eles Bento Gonçalves que viria a ser um dos líderes da Revolução Farroupilha, e que teria recebido terras ao norte do Rio Camaquã, onde há inclusive outra casa hoje transformada em museu. A porção ao sul coube a sua irmã e incluía o Rio São Lourenço e o sobrado. Conhecida como Donana, Ana Joaquina Gonçalves da Silva, costumava segundo se diz, acender um lampião no segundo andar do prédio, única construção de porte nas margens da lagoa, para servir de farol aos navegadores… Também foi dela a doação, seguindo o desejo de seu pai, de terras onde foi erguida a Igreja Nossa Senhora da Imaculada Conceição do Boqueirão, construída em 1868. A singela capela possui uma característica única, que é a de ter uma cúpula em forma de cebola a semelhança dos templos da Igreja Cristã-Ortodoxa Russa, algo único no sul. A explicação mais aceita para este curioso projeto é que seu proponente, Carlos Knüppeln, também agrimensor dos lotes para os imigrantes pomeranos que se estabeleceram na região, nascera na província de Posen, no leste da Prússia. Este antigo império que se estendia da Alemanha, até a Rússia passando pela Polônia, tinha relação próxima com povos eslavos, onde este tipo de igrejas era comum… E é ali nesta construção que atualmente conta com dois intensos tons de azul, que está enterrada Donana, fato só foi descoberto quando nos anos 1940, se decidiu fazer no lugar um túmulo para o Padre Maximiliano Strauss. Ana Joaquina, cabe registrar, é um dos “personagens” do livro baseado em fatos reais “A Casa das Sete Mulheres” de Letícia Wierzchowski, depois transformada em série de televisão. Na história, Donana, uma irmã com três filhas, a mulher de Bento Gonçalves e sua filha Perpétua viveram as angústias de esperar a volta dos homens das batalhas da Revolução Farroupilha. Mas o que verificamos em pesquisas iniciais, é que na realidade Perpétua era uma filha de Ana Joaquina com o português José da Costa Santos que teria naufragado e se agarrado a estátua de São Lourenço. E o neto Joaquim Abreu, filho de Perpétua e Antônio Francisco do Santos Abreu, veio a se tornar importante personagem da Guerra do Paraguai. Histórias interessantes que pretendemos ampliar em outras postagens…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: