As estátuas dos rios gaúchos

 
 
A curva e a força. O Sinos e o Caí com suas voltas, e o Gravataí e o Jacuí com seu volume… Todos estes quatro rios que deságuam no Guaíba, estão representados na suavidade das Ninfas e na seriedade dos dois Netunos. As quatro estátuas detalhadamente esculpidas mármore em 1866 pelo italiano José Obino, representam ao seu modo estas verdadeiras veias do Rio Grande do Sul. Tendo-se perdido alguns braços ou narizes ao longo de sua tumultuada história, foram construídas para ser a fonte de água de Porto Alegre em plena Praça da Matriz, onde mataram a sede de muitos até 1907. Substituídas pelo monumento à Jullio de Castilhos, foram esquecidas por quase três décadas em um depósito até iram para a praça Dom Sebastião, observar gerações de alunos do Colégio Rosário, crescerem ao seu redor. Mais mudanças, e as fontes neste novo século voltaram a ficar perto das suas origens.  Hoje enfeitam um chafariz, da praça próxima a uma estação de tratamento de águas da cidade, no bairro Moinhos de Vento. As águas que banham a capital gaúcha, seja de um rio ou de um lago, estariam supostamente representadas pela estátua de uma criança, talvez fruto desta relação de deuses das mitologias grega e romana. Mas esta parece que se perdeu com o tempo, e ninguém sabe onde está…
 

 

Reserve seu HOTEL, clicando na figura abaixo para ser direcionado para o site:

27c8d1832de6a3123b6ee45b59ae2f81b0d9d0d0

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s