Um moinho que ainda funciona sem eletricidade

Scroll down to content

Em Antônio Prado na serra gaúcha, o Moinho Francescatto usa a velha roda d´água como o principal motor para movimentar suas engrenagens. Pois era assim que funcionavam todos até a chegada da eletricidade nas primeiras décadas do século XX. Um desvio em rios e riachos e a boa declividade do terreno, ajudavam a aproveitar a força da gravidade para movimentar com água uma imensa roda de madeira. E ela fazia girar através de correias de transmissão e engrenagens, pesadas pedras e outras estruturas que moíam, trituravam e transformavam grãos em farinhas. Para que se fizessem o pão, as massas e as polentas, como é o caso deste em especial, que se dedica hoje apenas a moagem de milho. E ele segue funcionando como no passado, muito mais pra mostrar como era a vida de outros tempos, aos conectados turistas deste novo século. Mas o que também encanta os visitantes é a marcante explicação de Dona Catarina, que há mais de 50 anos se dedica a fornecer uma farinha de milho especial. Com uma boa disposição para sua adiantada idade ela também conta a trajetória do lugar, que se confunde com a sua própria história de vida. Um lugar incrível, não só para voltar no tempo, como também para apreciar a natureza do belo riacho que corre atrás da propriedade. E compreender que energia das suas águas ajudaram a transformar não somente grãos, mas também a vida de muitos que vivem nesta comunidade…

No vídeo dos Destinos de Antônio Prado, a Dona Catarina conversou conosco a partir de 7:38

2 Replies to “Um moinho que ainda funciona sem eletricidade”

Deixe uma resposta para Destinos do Sul Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: